Alegria ou Felicidade, a escolha é sua

“A alegria é a coisa mais séria da vida” Almada Negreiros Por razões que a razão desconhece sempre tive uma particular simpatia com a alegria e uma suave desconfiança da felicidade. Senti e subjectivei diferentemente estes dois sentimentos e conceitos tão próximos. Talvez porque a alegria sempre me pareceu uma coisa mais espontânea, acessível e…

Eles passarão eu passarinho

Poeminho do Contra Todos esses que aí estão Atravancando o meu caminho, Eles passarão… Eu passarinho! Mário Quintana Publicado no CH (Caderno H – 1973)*             Créditos: O Poeminha do Contra de Mário Quintana foi acedido em http://blogdejadson.blogspot.pt/2013/12/quintana-eles-passarao-eu-passarinho.html A fotografia do passarinho – um “nuthatch” (picanço-azul?, trepadeira-azul? pica-pau-cinzento?)-, da autoria de Paolo Ridolfi,…

Jingle Bells no divã

Lídia e a glazomania Lídia (nome fictício) era uma jovem mulher de 30 e poucos anos, com traços de personalidade obsessivo-compulsivos e uma assinalável ansiedade. Entre outros sintomas que evidenciava, com implicações a nível da auto-sabotagem, ela fazia obsessiva e excessivamente listas de afazeres, de ideias, de coisas – “estava agarrada a fazer listas de…merdas…

Todas as cartas de amor são ridículas

Todas as Cartas de Amor são Ridículas Todas as cartas de amor são Ridículas. Não seriam cartas de amor se não fossem Ridículas.Também escrevi em meu tempo cartas de amor, Como as outras, Ridículas.As cartas de amor, se há amor, Têm de ser Ridículas.Mas, afinal, Só as criaturas que nunca escreveram Cartas de amor É…

Separação

A muito fresca separação tinha-a compelido para um armário pouco usado onde numa caixa pouco visitada estavam guardadas as suas cartas de amor de juventude. Pegou nessa caixa e, tomando-a por companhia,  sentou-se no chão de uma tarde silenciosa. Pegou com delicada curiosidade nos já amarelecidos envelopes e papéis avulsos e voltou a beber dessa escrita….

Por detrás da queixa

Ela veio, sentou, chorou, libertou a tensão, disse ao que vinha, aliviou qualquer coisa (aparentemente bastante) com essa partilha inicial. Uma grande ansiedade, que a impedia de dormir, que a fazia antecipar problemas e perigos, às vezes que a levava a ficar nervosa quase sem razão e a começar a entrar em pânico, se tinha que…

Crónica de um caso amoroso

Crónica de um caso amoroso Na segunda conhecemo-nos. Dissemos os nossos nomes um ao outro. Na terça tornámo-nos amigos. Sorrimos. Na quarta fizemos amor. Perdemo-nos. Na quinta tivemos uma discussão. Ficámos tristes. Na sexta revimos os nossos últimos dias como se fossem um filme. No sábado procurámos maneiras de nos reencontrarmos. No domingo redescobrimos o…

Morrer é mais difícil do que parece

A coragem perante a dureza do diagnóstico e na difícil escolha contra o tratamento oficial . Em memória de Paulo Varela Gomes que morreu em abril passado revisitamos este seu texto brilhante e lúcido testemunho pessoal. Morrer é mais difícil do que parece   Tenho um cancro de grau IV. De cada vez que abro o teclado…

O que vai acontecer já aconteceu?

  Não. O que vai acontecer não aconteceu ainda, ponto. O que vai acontecer, é antes de mais função do agora; agora esse, mais ou menos impregnado das nossas decisões de ontem, do nosso olhar mais turvo ou mais límpido sobre o que nos aconteceu, porque aconteceu, como aconteceu, da história acumulada de experiências, traumas,…

As Causas

As Causas Todas as gerações e os poentes. Os dias e nenhum foi o primeiro. A frescura da água na garganta De Adão. O ordenado Paraíso. O olho decifrando a maior treva. O amor dos lobos ao raiar da alba. A palavra. O hexâmetro. Os espelhos. A Torre de Babel e a soberba. A lua…

Dersu Uzala

“Como é que o homem pode viver numa caixa?” É um filme do realizador japonês Akira Kurosawa (1975) filmado na Sibéria e falado em russo que havia visto há 36 anos e que revi ontem. Tinha uma intensa ‘memória de amor’ a este filme, uma espécie de laço inominável que perdurava apesar de haver esquecido…

O grito

O GRITO   “Não sei o que está acontecendo comigo, diz a paciente para o psiquiatra. Ela sabe. Não sei se gosto mesmo da minha namorada, diz um amigo para outro. Ele sabe. Não sei se quero continuar com a vida que tenho, pensamos em silêncio.   Sabemos, sim. Sabemos tudo o que sentimos porque algo…